27 outubro 2010

with the face / com a face

With the Face

With the face goes a mirror
As with the mind a world.
Likeness tells the doubting eye
That strangeness is not strange.
At an early hour and knowledge
Identity not yet familiar
Looks back upon itself from later,
And seems itself.

To-day seems now.
With reality-to-be goes time.
With the mind goes a world.
Wit the heart goes a weather.
With the face goes a mirror
As with the body a fear.
Young self goes staring to the wall
Where dumb futurity speaks calm,
And between then and then
Forebeing grows of age.

The mirror mixes with the eye.
Soon will it be the very eye.
Soon will the eye that was
The very mirror be.
Death, the final image, will shine
Transparently not otherwise
Than as the dark sun described
With such faint brightnesses.

laura riding

Com a Face
Tradução: Alexandra Bernardo


Com a face segue um espelho
Como com a mente um mundo.
A semelhança revela ao olho duvidoso
Que a estranheza não é estranha.
Em hora e sabedoria anteriores
A identidade não ainda íntima
Olha-se a si mesma pela posterioridade,
E parece-se consigo.
Hoje parece agora.
Com a futura realidade segue o tempo.
Com a mente segue um mundo.
Com o coração segue um tempo.
Com a face segue um espelho
Como com o corpo um medo.
O jovem eu vai fixando o muro
Onde o futuro mudo fala, calmo,
E entre tal e tal tempo
O passado sai do seu tempo.


O espelho flui-se com o olho.
Em breve será o olho único,
Em breve será o último espelho
O olho que era.
Morte, a última imagem, brilhará
Límpida, não de outro modo
E não como o sol negro descreveu
Com tantas falsas claridades.