22 março 2011

poema

El poema es la prolongación de lo real. No porque sea verídico, ni objetivo, ni siquiera realista. Lo es porque nace de un impulso cierto. De la nube de imágenes de una mente real. No existe el artificio. No existen las metáforas.
Por eso si yo digo que las gotas de lluvia son agujas, se clavarán sobre el que esté debajo. Se quedarán vibrando en los paraguas.



O poema prolonga o real. Não por ser veraz ou objectivo, tão pouco realista. Acontece porque nasce de um impulso certo. Da nuvem de imagens de uma mente real. Não existe o artifício. Não existem as metáforas.
Assim digo que as gotas de chuva são agulhas, cravam-se no que está por baixo. Ficam a vibrar nos guarda-chuvas.


trad: alberto augusto