24 maio 2011

Te beso y te llevo a la casa que no hay / Beijo-te e levo-te para a casa que não há

Te beso y te llevo a la casa que no hay

El mundo se agita entre hojas que galopan sobre el viento. Hoy vi pasar una manada de nubes detrás de un sol enfermo, y fui sol. El mundo no está quieto. Planea su desarraigo entre flores que invernan.

Mi piel no se renueva. Es corteza de un viejo árbol que los jóvenes tatuaron con una navaja hace tiempo. Es caparazón de un grillo que se bautiza en el rocío de una áspera amapola. Me convierto en el sol blanco del desierto. Los hombres me miran cubriéndose las caras.


Beijo-te e levo-te para a casa que não há  

O mundo agita-se entre folhas que galopam sobre o vento. Hoje vi uma manada de nuvens por trás de um sol doente e fui sol. O mundo não está quieto. Planeia o seu arranque entre flores que invernam.

A minha pele não se renova. É casca de uma velha árvore que os jovens tatuaram com uma navalha tempos atrás. É carapaça de um grilo que se baptiza no rossio de uma áspera papoila. Converto-me no sol branco do deserto. Os homens olham-me tapando a cara.

(trad: alberto augusto)