21 junho 2011

peixaro

Lá vai o peixaro em onda sem onde. Vai em multidão, é uma apodíctica excursão cantando árias de serviço. A sua performance decorre no deserto povoado, é uma cena non-stop, sem público e sem camarins onde esquecer a arduidade. Não tem bases para um colóquio de corpo. Dedica-se às palavras deste mundo até as tornar exangues. Está-lhe interdita a paragem em árvores ou casas. Está-lhe prometeuido que se afogue ou se despenhe.
alberto augusto miranda