23 julho 2011

Vaticinio de carne

Vaticinio de carne

Te despertarás un sábado como si fuera martes, pleno invierno, un ladrillo o una patética fiesta de fin de año.
Te levantarás en un fin de semana largo y tus pies serán el despertar de una corta vida.
No mirarás la tele, no encenderás la radio, no leerás el diario, no abrirás ningún libro.
No tendrás ganas de respirar, ni de moverte para servirte un vaso de agua.
Tu cuerpo será la inexistencia perfecta sólo, por no salir a la calle. Ni a la esquina, a ver si llueve.
Tu casa se transformará en un tupper que no se abrirá para el viento y ni las moscas, te darán auxilio.
Su preservativo se tirará en un tacho ajeno y vos, escondida del mundo, descubrirás que sólo fuiste carne, rodeando una vagina.
Escribirás, y no sabrás si lo tipeado es real o es un mal cuento.
Otros, tendrán mejores anécdotas para contar.
Vos fumarás un sábado y con la mirada perdida, escucharás a los vecinos cantar un feliz cumpleaños.

Claudia Waingan

Vaticinio de carne


Acordarás num sábado como se fosse terça, em pleno inverno, uma chatice ou uma patética festa de réveillon.
Levantar-te-ás num fim-de-semana prolongado e os teus pés serão a aurora de uma curta vida.
Não verás televisão, não ligarás a rádio, não lerás o jornal, não abrirás nenhum livro.
Não terás vontade de respirar nem de te mexer para beber um copo de água.
O teu corpo será a inexistência perfeita sozinho, por não sair à rua. Nem à esquina a ver se chove.
A tua casa transformar-se-á num tupperware que não se abrirá ao vento e nem as moscas lhe prestarão auxílio.
O seu preservativo será lançado num caixote alheio e tu, escondida do mundo, descobrirás que foste apenas carne à volta de uma vagina.
Escreverás e não saberás se o que digitaste é real ou uma historieta.
Outros terão melhores episódios para contar.
Tu fumarás um sábado e com o olhar perdido ouvirás os vizinhos a cantar os parabéns.


(trad: alberto augusto)