26 agosto 2011

rasura tectonica


mia-me aos genes
durante a hélice do trovejante
sussurrada na alvura do osso
mineralizado

sibila-me nas escarpas
do epicarpo nervoso
os ódios que te têm
pelo fluido incerto
do seio primordial

mortifica-me com as veias
que não me pulsam

afia-me os bigodes do sono
e a cauda da morte

mutila-me a vagina
que me respira
debaixo do braço

implode-me dentro do teu ventre

bruno miguel resende