22 outubro 2011

exemplum exorbitante


O novo livro  de Xosé Mª Vila Ribadomar “Fotogramática” (Incomunidade, Galiza, 2011) reveste par excellence um indiscutível pendor “intensivo”. O impacto desta poesia parece estar na sua marca híbrida, mescla peculiar de transgressão - como um regime compulsivo - de rigorismo - mestria - lógica inusitada - anómala - (in)definível - irremediável. Na sua re-configuração - intentio - deriva apocalíptica - agudeza y arte del ingenio - maneirismo - podemos inferir, pelo menos, a presença de uma escrita densa que (re)captura, grosso modo, a língua - em sua vizinhança imediata com o paradoxo e o absurdo - que, como diz J-C Milner, é o impossível.

Semi-dizer

Xosé Mª Vila Ribadomar retoma, de forma esparsa, a arte e a literatura universal (em chave cripto-gráfica). Na interpelação da língua-discurso - um universo complexo ao mesmo tempo cêntrico, acêntrico e policêntrico - a sua escrita manifesta uma obscuridade aparente. Vale dizer: um “semi-dizer”. No recurso a uma espécie de tessitura interminável de referências entrelaçadas - cultura e environment - constituiu-se como exemplum de uma escrita exorbitante que é, assim, excursus.

(explícita) melancolia

Teremos, portanto, de nos limitar a considerar, no poema, as redes de equivalências, onde entram em relação elementos fónicos, gramaticais e semânticos? Sabendo ao mesmo tempo que a organização poemática é elaborada longe da organização da linguagem comum? Mais ainda do que a demarcação da prosódia pré-estabelecida - da academia com o seu bureau e o seu management literários - aqui se mesclam, em bloco, um implacável registro textual (que se delineia num claro-escuro sintomático) e, por sinal, (um)a explícita melancolia.

sobrecodificação, gnosia

Convém fazer referência - em sentido lato e algo impróprio - a um conjunto de textos (como uma valência eclética, codificação múltipla ou até sobre-codificação) que nos remetem a uma épica da catástrofe - gnosia - um tipo de discurso assente na exasperação, pressentimento e catástrofe - e, portanto, uma escrita especular. Trata-se de uma poética que avança por caminhos pouco trilhados: poesia insana à primeira vista - das sintomatologias neurótico-depressivas - compressiva ou dissociadora - fílmico-pictórica - veículo da cura, pharmakhon.

Visionário, foto (ceno)gráfico

Como compreender esta poética negativa - onde se revela o sentido fora do sentido - que pode ser definida como desviante - assente numa incessante experimentação - (des)possessão? O que salta à vista é, acima de tudo, o seu lirismo - o fluxo de um idioma sumptuoso - (in)abarcável - que nos aproxima da escuta poética da natureza. É justamente uma escrita ancorada numa paleta fisiológica - um imaginário em discurso - visionário - foto - (ceno)gráfico - no vínculo a uma “textura” perceptiva de pendor sexual-cósmico, irredutível: “abo côa miña língua umbilical un regueiro de pólvora húmida ata tua vulva ómega” (p. 7).


(tran)sensorial e epidémica

Por agora, limitemo-nos ao mais básico: a de uma escrita obscurecida por inegáveis sombras, mas também, iluminada por luzes do alogon , que é impossível ocultar atrás do alter, do alienus, do allos, do outro absoluto e do insensato. Ela se produz como clausura - ante a evidência de que tudo que nela se encena pertence igualmente à contingente ordem do fantasma. Poderia dizer-se que esta poesia - da acedia - habita a clausura da representação. Será que podemos aqui discernir uma tentativa de apreensão das opacidades inextrincáveis? Na re-invenção do carpe diem? A retoma do intertexto cultural?

Niilismo, hybris trágica

Então em que consiste essa poética articulada à reivindicação do niilismo, a hybris trágica? A sua chave continua sendo a sugestão, a ambiguidade, a polissemia ou a obscuridade que define a poética de Xosé Mª Vila Ribadomar. Bastar-nos-á aqui referir um tipo de escrita erudita - (tran)sensorial e epidémica - da intensidade patogénica e do descontinuum - um palimpsesto algo delirante e de auto-implicação. Mas onde se visualiza um erotismo transferencial e incontido - que engloba, por definição, o corpo libidinal, psíquico e de regressão, a cartografia do vazio, o desejo inominável?

pathos maneirista
Inútil insistir: a leitura deste livro nos mostra que a sua poesia dá voz (e a voz) ao incomunicável. Podemos entender a dificuldade desta escrita no contexto de uma poética por onde perpassa (em si mesma) uma tensão expressiva e simbólica. No caso em foco, um pathos maneirista - apocalíptico - uma poética hermética, onde prevalece um dispositivo pulsional, no afloramento da voz e da escuta. Este poemário, da qual parte toda a nossa reflexão, remete-nos, pois, - ainda quando falámos esquematicamente de uma obra assente num vocabulário de eleição – não-canônico - imprevisível e decisivo - para toda uma gama de tópicos: uma filosofia-mundo. Assim, temos a distinguir, portanto, a ênfase numa economia do desejo e, em consequência, os impasses do gozo e as feridas do simbólico.

Fracasso, malogro

Esta poesia, na sua opacidade alquimica, maniera, parece configurar o sentimento agónico do fracasso - do malogro. Mas será que se pode dizer, seriamente, que - neste pano de fundo de conformidade com a nossa inabilidade de descrever o mundo - a poesia aparece-nos como diminuída e limitada? Ou, ao contrário, será que se tem de reconhecer que através da poesia apreendemos um mundo, um habitat específico com uma voz, por si só, identificável, emancipadora? Situados num limiar depressivo, em um mundo de bloqueios e de discriminações, de impotência política e de apatia social, de vazio administrativo e de usura planificada – vínculo às disposições ou devaneios, que abarcam as alegorias da radical ilegibilidade - , todo o problema está em saber do que falamos nós quando nos referimos à forma meditativa do poema - onde, no entanto, se forjam as imagens do malogro - as grandes recusas? Podemos bem dizer que o destino dos homens – do poeta - tornou-se político. Até porque o poder polariza-se - como assinalou Ivan Ilich - a insatisfação generaliza-se (A Convivencialidade, Lisboa, 1976, p. 90).

21 de Outubro de 2011

Alexandre Teixeira Mendes