05 outubro 2011

Jarawi (*)


Jarawi (*)

Aya allpatachu akurani
aya
upallalla chuyunyaq
simiyuq kanallaypaq

urpi ñawillaymi
kausayta munashkan
¡kay!
wañuy
nina qaqa kañay pachapi
chaki sonqoypi

¡ay!
yana allpatam takani
mitu chakiyman
yaku makiyman

paralla chayaykamuy
intilla kanchiykamuy
llapa tulluymi
atkatashkan

chaki sonqoyñataqmi
tallikuykushkan
lambras qasa mayuchanman

¡ay!
sirkaypi jintil
yawar mitmaqniy
wichay apullay
qawariwayña
kausayqa
manam kausayñachu

asnaq
pukium qoltutumushkan
kay
nanaq, ñausa

karu rinri pachapi
aya allpañachu kanipas
¡mamallay, taytallay!
manañam
kay vida kanichu

jarawillaymi uyarikushkan
kay pacha
anan pachamanta
rikchaparikunapaq.

DIDA AGUIRRE GARCÍA


Jarawi

Será que
o pó dos mortos
mastiguei
para
que
os meus lábios estejam  selados
em
silêncio de morte?

meus olhos de pomba
urgem viver
aquí na morte
no fogo da pedra
no  incêndio do mundo
e no meu  árido coração

ai!
estou a tapumar terra negra
aos meus pés de barro
às minhas mãos de água

chuva vem imediatamente!
sol alumia já!
todos os meus ossos
estão a tremer

e
o meu coração seco
está a derramar-se
no riacho
em quebrada de amieiros

ai!
sangue das minhas veias
ancestrais jintis
antiquíssimo Deus

olha-me imediatamente!
viver agora já não é ida
a
hedionda água renascida
está a borbulhar
neste dolente,
cego e surdo cosmos

talvez
já esteja argila de mortos
minha mãe! meu pai!
já não sou desta vida

só o meu  jarawi
está na escuta
a partir desta terra
e do outro mudo
para
acordarmos  da letargia


JARAWI ou HARAWI em língua quechua é "poema" ou "poema cantado".